Passar para a navegação primária Passar para o conteúdo Passar para o rodapé
Giant Devil Ray

Jamanta
(Mobula mobula)

Existem dois géneros da família das Mantas com aparência muito semelhante. O género mais pequeno Mobula, inclui nove espécies com tamanhos que variam de 1 a 5 metros. O género Manta inclui 3 espécies com tamanhos de até 8 metros.

A Jamanta (Mobula mobular) é a maior espécie do género Mobula. Os seus inimigos naturais incluem grandes tubarões e orcas. As raias podem ser vistas sozinhas ou em pequenos grupos de 10 – 12 animais e, em geral, ocorrem nas camadas superiores da água, geralmente a profundidades de 20 metros.

Informação geral

Outros nomes: Manta-diabo

Tamanho dos adultos: 3 – 5m de comprimento

Presa: plâncton e pequenos peixes.

Ciclo de vida e comportamento: As raias atingem a maturidade sexual com um comprimento de corpo de cerca de 4m. Possuem uma capacidade reprodutiva muito baixa e só dão à luz uma única cria a intervalos desconhecidos. As Jamantas são peixes vivos (ovovivíparos) com fêmeas a libertarem crias completamente desenvolvidas, que se desenvolveram no seu oviduto (não têm placenta como os mamíferos) a partir de ovos fertilizados, que eclodem dentro da mãe. As mantas são a mais activa de todas as raias à superfície e muitas vezes são observadas a saltarem.

Alcance: Ocorre em todo o Mar Mediterrâneo, e no Atlântico Nordeste. Tem sido relatado desde a costa do noroeste de África – Marrocos ao Senegal – Ilhas Canárias, Madeira, Açores, Portugal, raramente avistamentos ao largo do sul da Irlanda.

Características distintivas: Podem ser distinguidas de outras espécies de raias pelo movimento ondulatório das suas barbatanas peitorais enquanto nadam e são muito mais pequenas do que outras Mantas. Têm geralmente uma cor dorsal castanha com duas barbatanas uma em cada lado da sua cabeça. Têm frequentemente ectoparasitas, tais como remoras, presas à sua pele.

Taxonomia: Classe: Chondrichthyes (peixe cartilaginoso); Família: Myliobatidae (Raias-águia); Género: Manta

Ameaças: Elevada mortalidade de capturas em muitas pescarias diferentes, principalmente em redes de deriva pelágica e redes de arrasto. São também capturadas em massa na pesca com redes envolventes-arrastantes no Mar Levantino (parte do Mar Mediterrâneo ocidental, banhando o Egito, Líbano, Chipre, Israel, Síria e Turquia). A sua lenta capacidade reprodutiva leva a uma recuperação muito lenta das populações, permitindo que sejam registadas como ameaçadas pela IUCN, especialmente nas águas europeias.

Skip to toolbar