Passar para a navegação primária Passar para o conteúdo Passar para o rodapé
a close up of an animal

Baleia-franca-do-atlântico-norte

(Eubalaena glacialis)

As baleias-francas-do-atlântico-norte foram as primeiras das grandes baleias a serem capturadas na caça comercial à baleia. Eram lentas, ricas em óleos e farinhas e fáceis de caçar.

Por isso, eram consideradas as “baleias certas para caçar”. No início do século XX, foram capturadas quase até ao ponto de extinção. Há três espécies a distinguir: Baleia-franca-do-atlântico-norte (E.glacialis); Baleia-franca-do-pacífico-norte (E. japonica) e Baleia-franca-do-hemisfério-sul (E. australis).

Numa base funcional, a população do Atlântico Norte é considerada extinta, uma vez que restam apenas cerca de 300 – 400 indivíduos. A espécie é significativamente afectada por mortalidades devido a colisões com navios e enredamento em artes de pesca.

Informação geral

Tamanho dos adultos: Fêmeas no máximo 18m; os machos cerca de 1-1,5 m mais curtos do que as fêmeas

Presa: Alimenta-se exclusivamente de alimentadores de plâncton (principalmente copépodes).

Reprodução: Sexualmente maduros com 9-10 anos. As fêmeas acasalam frequentemente com mais do que um macho em sucessão, o seu sistema de acasalamento é baseado na competição por esperma. As baleias-francas machos têm os maiores testículos do reino animal (900 kg de peso).

Tempo de vida: até 70 anos.

Comportamento: As Baleias-francas ocasionalmente ficam curiosas e aproximam-se de barcos. São nadadoras lentas que mostram actividade à superfície, muitas vezes emergindo e batendo com a caudal na água. Nas áreas onde dão à luz, as fêmeas são frequentemente observadas virando-se de costas e abraçando as suas crias recém-nascidas com as barbatanas peitorais na sua parte inferior. Alimentam-se através de filtragem; movimentam-se através da água com a boca bem aberta e filtram as presas através das suas placas de barbas fina.

Alcance: Hemisfério Norte; frequentemente avistados ao largo das costas da Nova Escócia (Canadá Oriental) até às costas da Florida e Geórgia. Fazem migrações sazonais entre locais de nascimento tropicais e latitudes mais elevadas para áreas de alimentação designadas. Na Primavera reúnem-se em Cape Cod e em redor da baía de Massachusetts.

Madeira: Um avistamento registado no ano de 1964.

Características distintivas: Corpo grande e arredondado com uma cor preta praticamente em todo o corpo com algumas manchas brancas na parte inferior. Têm uma cabeça relativamente enorme com uma linha de boca fortemente arqueada e placas de barbas muito compridas. Cabeça e rostro estão cobertas de calosidades, percebes que são também conhecidas como “piolhos de baleia”, cujos padrões de colonização são utilizados para a identificação de baleias individuais. Não possuem barbatana dorsal e têm barbatanas peitorais em forma de remo. O seu sopro em forma de V pode estender-se até 5m no ar e tendem a levantar as suas barbatanas caudais antes de mergulhar.

Taxonomia: Mysticeti (Baleias de barbas); Familiares: Balaenidae (Baleias francas; baleias barbas sem sulcos na garganta).

Ameaças: São relatadas como criticamente ameaçadas pela UICN e estão registadas entre os mamíferos mais gravemente ameaçados do mundo, restando apenas cerca de 300 – 400 indivíduos em todo o mundo.

Skip to toolbar